Blog da responsabilidade de Nelson Correia, Advogado, Vereador na Câmara Municipal de Penafiel, deputado na IX Legislatura e militante do Partido Socialista

Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008
Notas soltas de 2007 - Internacional
Rússia de Putin

Putin, confirmou mais uma vez a eficácia do seu poder na Rússia. Trouxe a mesma para um papel de destaque na cena internacional após a desintegração da União Soviética, está a investir no seu arsenal e mantém uma relação complexa com a Europa usando o gás natural como moeda forte. Neste ano apareceu um Putin desafiante aos EUA em diversas matérias, desde a instalação de bases de mísseis na Polónia e Republica Checa, passando pelo estatuto do Kosovo e também pelo auxílio ao Irão. Para o exterior vimos um Putin com um novo fôlego e uma ânsia de ter algo a dizer nos destinos do mundo. A nível doméstico, a Rússia continua um país dilacerado pela corrupção transversal a todos os níveis da administração pública, assiste-se à continuação da condenação de um povo pelo pretexto do terrorismo e à cada vez mais inacessível liberdade de imprensa.


Sarkozy

Este senhor tem sido uma revelação para todos os não apostavam nele. Em campanha contra Royal, pareceu um Sarkozy xenófobo, repressor, antiquado, ultra-conservador, demasiado pró-americano tendo em conta que é Francês. No entanto, ganhas as eleições, notou-se a faceta de hiperactivo neste estadista. Começou por ele a sugestão de se elaborar um tratado simplificado de modo a retirar a Europa da estagnação institucional, negociou a libertação de prisioneiros na Líbia e foi uma das figuras na recente cimeira Europa-África. A nível interno, propôs-se a acabar com os regimes especiais de reforma a função pública, facto pelo qual levantou uma imensa contestação. Fica para 2008 o desfecho desta história.

Polónia

A Polónia deixou finalmente de ser um entrave e uma ovelha negra na União Europeia. O reinado dos monozigóticos de extrema-direita desfez-se com a derrota do irmão que ocupava o lugar de primeiro-ministro. Embora tivesse sido eleito alguém mais moderado, não deixa de ser curioso, que a alternativa escolhida à extrema-direita seja o neo-liberalismo. Fica por saber o que aconteceu ao centro-esquerda.

Presidência da EU

A Presidência rotativa feita por Portugal revelou-se um sucesso. A Europa desbloqueou-se em Lisboa, com um Tratado com o mesmo nome da capital do País que acolheu, para além das negociações para quebrar o impasse institucional, uma cimeira Europa-África, entre outras. Certo que existiu uma cimeira Europa-Rússia, sempre marcada pela problemática dos direitos humanos na Rússia e pela dependência energética da Europa relativamente a este colosso, no entanto, foi a cimeira Europa-África que marcou definitivamente uma agenda mundial.


Paquistão

No Paquistão assiste-se a mais uma consequência nefasta da guerra mal dirigida pelos EUA contra o terrorismo. Esquecendo totalmente as razões porque as massas de população aderem facilmente ao extremismo, o combate ao Terrorismo tem tido apenas um efeito sobre os sintomas do mesmo não actuando sobre as causas, ou antes pelo contrário, cria mais razões para a propagação do mesmo. Intitulando-se defensor da democracia e de implementador de democracias neste mundo, Bush, aliou-se a uma ditadura militar corrupta para cumprir tal tarefa. Resultado, o poder dos extremistas nas zonas tribais cresce a olhos vistos e a última esperança de deter este crescimento foi assassinada, em circunstâncias que seriam interessantes serem perfeitamente esclarecidas, ficando o Paquistão nuclear, refém de outro General golpista apoiado pelos EUA, ou refém dos extremistas caso estes cheguem ao poder.


Darfur

Nesta região está a agudizar-se um desastre humanitário, sem que a ONU tenha a capacidade de intervir com mão firme. É uma região, não muito rica e que está inserida numa potência regional, razões pelas quais o mundo ocidental não elegeu este problema como uma das suas prioridades.





</>


publicado por pena-fiel às 19:23
link do post | comentar | favorito
|

Notas soltas 2007 (II) - Nacional
Referendo à IVG
Com a vitória do SIM no referendo à IVG, descobriu-se finalmente um Portugal a urbanizar-se e a começar a abandonar as tradições do salazarismo. Notou-se um país que começa a largar os traços de machismo saloio e retrógrado. Resolveu-se um problema prioritário neste País e finalmente as mulheres deixaram de ser tratadas como criminosas pelo Estado.

Mudanças na direita
Este ano foi pródigo nas mudanças que ocorreram nos Partidos de Direita. O CDS abandonou um líder de matriz democrata-cristã e preferiu um líder populista. O PSD abandonou um líder que começava a seduzir-se pelo populismo e escolheu um duo onde o populismo e a demagogia estão já inseridos no código genético. Resultado, temos uma direita que nem é direita nem é coisa nenhuma. São um conjunto de dois partidos que não se querem assumir a sua ideologia neo-liberal e limitam-se a fazer uma oposição de circunstância. O PSD, é então o partido cuja nova liderança já se faz sentir, em que num dia assumem-se como neo-liberais, e no outro dia já são os grandes defensores do Estado.


Eleições em Lisboa
As eleições de Lisboa, tiveram dois pormenores que devem ser referidos. O primeiro, é que as mesmas resultaram de escândalos e processos em tribunal. O segundo é que nunca vi uma quantidade tal de candidatos a uma cidade. Ao todo, se não me engano eram 10. Nestas condições era muito difícil surgir um executivo com maioria absoluta, facto pelo que o PS com António Costa lidera com o BE um executivo minoritário. Este facto tornou-se problemático na aprovação de um empréstimo para pagamento de dívidas de curto prazo, em que o PSD nacional revelou mais uma vez a sua faceta de bota-abaixo. No entanto, pareceu que o PSD que está a Assembleia Municipal de Lisboa, cumpriu a sua função para os eleitores de aprovou o dito empréstimo.


Retoma económica lenta
Nestes últimos tempos temos assistido a uma retoma económica, que se caracteriza por ser lenta e com crescimento muito reduzido. No entanto este crescimento é um crescimento sustentado que se está a basear no aumento das exportações e não no aumento do consumo interno. Este crescimento poderá ser potenciado com o crescente apoio às empresas inovadoras e exportadoras e com o aumento de confiança dos investidores. O consumo privado poderá também contribuir para um aumento do crescimento, mas com uma importância mais reduzida que nos anos 90, sobretudo enquanto as taxas de juro mantiverem a tendência de subida.



</>

tags: ,

publicado por pena-fiel às 19:20
link do post | comentar | favorito
|

Notas soltas de 2007 - Local/Regional
JS Distrital


A JS/Distrital entrou numa fase de grande actividade com a presidência do Nuno Araújo. Esta estrutura está a marcar por diversas vezes a agenda política regional e local em diversos concelhos por onde passa. O próximo ano de 2008, vai ser um ano de desafios e de preparação da JS para o ciclo eleitoral que se aproxima e o ano da diferenciação relativamente às outras JOTAS, que continuam apenas acomodadas ao seu papel único de porta-bandeiras.

Políticas Municipais

A ausência de qualquer tipo de política integrada para algumas áreas de intervenção é notada quando surgem medidas avulsas, cuja utilidade global seja um pouco duvidosa mas, no entanto, a propaganda transforma as mesmas em medidas estruturantes para o concelho. Nota-se o caso dos papa-chiclas. O mesmo acontece com uma série de investimentos que irão ser feitos em Penafiel. Todo o investimento é bem-vindo desde que benéfico para o concelho, no entanto a localização dos mesmos parece ter sido realizada recorrendo à táctica do sorteio. Não se vislumbra uma verdadeira intenção de criação de uma nova centralidade, tendo em conta a constituição de espaços competitivos, sem que os mesmos não retirem a competitividade que ainda resta ao centro da cidade.


Novos Jornais

Em 2007, nasceram mais dois jornais regionais, que pelo seu conteúdo parecem ser jornais que informam as pessoas do que interessa, dando voz a algumas denúncias, acompanhando as decisões nos seus palcos de excelência e recusando o sensacionalismo. Estes novos jornais significaram uma lufada de ar fresco numa imprensa local e regional com alguns órgãos um pouco arredados da informação séria.

</>

tags: ,

publicado por pena-fiel às 19:17
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
28
29

30


posts recentes

Notas soltas de 2007 - In...

Notas soltas 2007 (II) - ...

Notas soltas de 2007 - Lo...

arquivos

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

tags

todas as tags

links
participar

participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds