Blog da responsabilidade de Nelson Correia, Advogado, Vereador na Câmara Municipal de Penafiel, deputado na IX Legislatura e militante do Partido Socialista
Quinta-feira, 10 de Agosto de 2006
FUNDAMENTALISTAS vs RADICAIS
Um anúncio trouxe de novo para a ribalta a polémica entre os que defendem a proibição de fumar e os que entendem que essa decisão deve ser deixada na esfera de cada um.

Nesse anúncio, avisava-se que para os fumadores, o acto de concorrer era uma inutilidade. Ser fumador era uma deficiência que importava a desclassificação. Ainda por cima, por se entender que quem fuma é destituído de inteligência.

O anunciante rematava esclarecendo que nunca contrataria um fumador por essa condição ser reveladora de uma diminuição intelectual!

Tal anúncio passaria despercebido, não fosse uma deputada europeia ter inquirido a Comissão da legalidade de tal atitude.

E não é que um senhor comissário se lembrou de dizer que o direito ao trabalho consagrado nas mais diversas ordens jurídicas desta velha Europa, devia ceder face ao vício do tabaco?!

Entendeu aquele comissário, seguramente numa crise de diarreia cerebral, que a exclusão dos que fumam do direito ao emprego, não constituía qualquer violação à ordem legal vigente.

Acho que o ridículo da decisão, por si, a matava.

Porém, os defensores do tabaco resolveram acrescentar mais disparate ao disparate e naquela decisão viram o fascismo de regresso à Europa; a polícia dos costumes aterrar em Bruxelas e numa cruzada purificadora a varrer todos os ímpios que fugissem do padrão imposto pela inquisidora Comissão.

Viam nessa estúpida decisão o culminar da "guerra" antitabagista que tem assentado arraiais um pouco por todo o mundo. Queriam, nomeadamente, referir-se à proibição de fumar em locais públicos; nos restaurantes, nos bares, nas escolas e outros edifícios.

Tudo em nome da liberdade.

Para estes novos radicais, ao fundamentalismo dos antitabagistas, havia que contrapor a liberdade da baforada.


Queria ver como reagiria um destes radicais do fumo, que nada se importa com o vizinho do lado quando no autocarro, no café, na repartição pública, puxa do cigarro e sem perguntar se o fumo incomoda lança aquela baforada sobre a cabeça do parceiro do lado, se este, perante as suas fumaradas, respondesse com arrotos e traques!

Iria respeitar a liberdade do vizinho de fazer a "javardice" que vem entendesse ou ficaria indignado perante tão associal comportamento?

Quem tolera todo e qualquer comportamento social, pode defender a liberdade de fumar, seja onde for e em que condição for.

Quem pensa que a sua liberdade termina, quando com ela, a dos outros é colocada em causa, concerteza que não aceitando a estupidez dos que querem impor um padrão de costumes e castigar quem a ele não se submete, também não aceitará que se fume em prejuízo da liberdade e já agora, da saúde, dos outros.


publicado por pena-fiel às 21:05
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
28
29

30


posts recentes

Estados de espírito

PIDDAC

Autárquicas 2009

OPÇÕES

"MUDAR DE DISCURSO"

Ventos que sopram do Avan...

Afinal a senhora fala!

EXIGIR COMPROMISSOS

Muda-se de líder, mantém-...

Fuga para a frente

arquivos

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

tags

todas as tags

links
participar

participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds