Blog da responsabilidade de Nelson Correia, Advogado, Vereador na Câmara Municipal de Penafiel, deputado na IX Legislatura e militante do Partido Socialista
Terça-feira, 30 de Janeiro de 2007
O voto
Venho escrever sobre o voto, um pouco também devido ao referendo que aí se aproxima. No entanto não vou falar sobre as razões de eu votar Sim, mas sim nas razões de eu simplesmente ir votar sempre que necessário.
Durante uma série de anos, existiu um povo que foi subjugado a um domínio estrangeiro, e durante esse espaço de tempo o invasor massacrou e oprimiu fortemente esse povo. Durante longos anos esse povo sofreu em silêncio, pois a sua localização era remota, e a sua independência não era uma prioridade para a comunidade internacional. Durante anos esse povo lutou com o pouco que tinha, mas lutou sempre afincadamente pela sua auto-determinação. Aos poucos a sua causa foi ganhando visão a nível internacional, até ao ponto de se convocar uma consulta popular ao povo sobre o que queria para o seu futuro, uma autonomia especial ou a independência.
Mesmo assim esse referendo foi um presente envenenado, pois a repressão, os homicidios, as torturas continuaram durante o recenseamento e a campanha para o referendo. Mesmo com a ameaça sobre as suas vidas, esse povo saiu do seu esconderijo e foi votar, e votou pela independência. Esse povo é o povo de Timor-Leste. É o povo corajoso e com capacidade de sofrimento, é o povo que decidiu por si próprio, é o povo que mostrou ao Mundo o poder da escolha e o poder do voto. É o povo que se sacrificou, para poder escolher o seu destino. E pelo povo de Timor-Leste, em cada acto de colocar a cruz, dobrar o boletim em quatro e deposita-lo na urna, eu faço uma sentida homenagem, pois esse povo mostrou-me o valor do voto e o valor da participação nos destinos colectivos.
E a todos faço um apelo, votem, independentemente do sentido de voto, mas votem, de certeza que não arriscam a vossa vida ao ir votar. O povo de Timor arriscou a sua vida, mas mesmo assim foi em massa votar.
Por si e por todos, decida e não deixe que os outros decidam por si.



publicado por pena-fiel às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

O voto
Venho escrever sobre o voto, um pouco também devido ao referendo que aí se aproxima. No entanto não vou falar sobre as razões de eu votar Sim, mas sim nas razões de eu simplesmente ir votar sempre que necessário.
Durante uma série de anos, existiu um povo que foi subjugado a um domínio estrangeiro, e durante esse espaço de tempo o invasor massacrou e oprimiu fortemente esse povo. Durante longos anos esse povo sofreu em silêncio, pois a sua localização era remota, e a sua independência não era uma prioridade para a comunidade internacional. Durante anos esse povo lutou com o pouco que tinha, mas lutou sempre afincadamente pela sua auto-determinação. Aos poucos a sua causa foi ganhando visão a nível internacional, até ao ponto de se convocar uma consulta popular ao povo sobre o que queria para o seu futuro, uma autonomia especial ou a independência.
Mesmo assim esse referendo foi um presente envenenado, pois a repressão, os homicidios, as torturas continuaram durante o recenseamento e a campanha para o referendo. Mesmo com a ameaça sobre as suas vidas, esse povo saiu do seu esconderijo e foi votar, e votou pela independência. Esse povo é o povo de Timor-Leste. É o povo corajoso e com capacidade de sofrimento, é o povo que decidiu por si próprio, é o povo que mostrou ao Mundo o poder da escolha e o poder do voto. É o povo que se sacrificou, para poder escolher o seu destino. E pelo povo de Timor-Leste, em cada acto de colocar a cruz, dobrar o boletim em quatro e deposita-lo na urna, eu faço uma sentida homenagem, pois esse povo mostrou-me o valor do voto e o valor da participação nos destinos colectivos.
E a todos faço um apelo, votem, independentemente do sentido de voto, mas votem, de certeza que não arriscam a vossa vida ao ir votar. O povo de Timor arriscou a sua vida, mas mesmo assim foi em massa votar.
Por si e por todos, decida e não deixe que os outros decidam por si.



publicado por pena-fiel às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

O voto
Venho escrever sobre o voto, um pouco também devido ao referendo que aí se aproxima. No entanto não vou falar sobre as razões de eu votar Sim, mas sim nas razões de eu simplesmente ir votar sempre que necessário.
Durante uma série de anos, existiu um povo que foi subjugado a um domínio estrangeiro, e durante esse espaço de tempo o invasor massacrou e oprimiu fortemente esse povo. Durante longos anos esse povo sofreu em silêncio, pois a sua localização era remota, e a sua independência não era uma prioridade para a comunidade internacional. Durante anos esse povo lutou com o pouco que tinha, mas lutou sempre afincadamente pela sua auto-determinação. Aos poucos a sua causa foi ganhando visão a nível internacional, até ao ponto de se convocar uma consulta popular ao povo sobre o que queria para o seu futuro, uma autonomia especial ou a independência.
Mesmo assim esse referendo foi um presente envenenado, pois a repressão, os homicidios, as torturas continuaram durante o recenseamento e a campanha para o referendo. Mesmo com a ameaça sobre as suas vidas, esse povo saiu do seu esconderijo e foi votar, e votou pela independência. Esse povo é o povo de Timor-Leste. É o povo corajoso e com capacidade de sofrimento, é o povo que decidiu por si próprio, é o povo que mostrou ao Mundo o poder da escolha e o poder do voto. É o povo que se sacrificou, para poder escolher o seu destino. E pelo povo de Timor-Leste, em cada acto de colocar a cruz, dobrar o boletim em quatro e deposita-lo na urna, eu faço uma sentida homenagem, pois esse povo mostrou-me o valor do voto e o valor da participação nos destinos colectivos.
E a todos faço um apelo, votem, independentemente do sentido de voto, mas votem, de certeza que não arriscam a vossa vida ao ir votar. O povo de Timor arriscou a sua vida, mas mesmo assim foi em massa votar.
Por si e por todos, decida e não deixe que os outros decidam por si.



publicado por pena-fiel às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

O voto
Venho escrever sobre o voto, um pouco também devido ao referendo que aí se aproxima. No entanto não vou falar sobre as razões de eu votar Sim, mas sim nas razões de eu simplesmente ir votar sempre que necessário.
Durante uma série de anos, existiu um povo que foi subjugado a um domínio estrangeiro, e durante esse espaço de tempo o invasor massacrou e oprimiu fortemente esse povo. Durante longos anos esse povo sofreu em silêncio, pois a sua localização era remota, e a sua independência não era uma prioridade para a comunidade internacional. Durante anos esse povo lutou com o pouco que tinha, mas lutou sempre afincadamente pela sua auto-determinação. Aos poucos a sua causa foi ganhando visão a nível internacional, até ao ponto de se convocar uma consulta popular ao povo sobre o que queria para o seu futuro, uma autonomia especial ou a independência.
Mesmo assim esse referendo foi um presente envenenado, pois a repressão, os homicidios, as torturas continuaram durante o recenseamento e a campanha para o referendo. Mesmo com a ameaça sobre as suas vidas, esse povo saiu do seu esconderijo e foi votar, e votou pela independência. Esse povo é o povo de Timor-Leste. É o povo corajoso e com capacidade de sofrimento, é o povo que decidiu por si próprio, é o povo que mostrou ao Mundo o poder da escolha e o poder do voto. É o povo que se sacrificou, para poder escolher o seu destino. E pelo povo de Timor-Leste, em cada acto de colocar a cruz, dobrar o boletim em quatro e deposita-lo na urna, eu faço uma sentida homenagem, pois esse povo mostrou-me o valor do voto e o valor da participação nos destinos colectivos.
E a todos faço um apelo, votem, independentemente do sentido de voto, mas votem, de certeza que não arriscam a vossa vida ao ir votar. O povo de Timor arriscou a sua vida, mas mesmo assim foi em massa votar.
Por si e por todos, decida e não deixe que os outros decidam por si.



publicado por pena-fiel às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

O voto
Venho escrever sobre o voto, um pouco também devido ao referendo que aí se aproxima. No entanto não vou falar sobre as razões de eu votar Sim, mas sim nas razões de eu simplesmente ir votar sempre que necessário.
Durante uma série de anos, existiu um povo que foi subjugado a um domínio estrangeiro, e durante esse espaço de tempo o invasor massacrou e oprimiu fortemente esse povo. Durante longos anos esse povo sofreu em silêncio, pois a sua localização era remota, e a sua independência não era uma prioridade para a comunidade internacional. Durante anos esse povo lutou com o pouco que tinha, mas lutou sempre afincadamente pela sua auto-determinação. Aos poucos a sua causa foi ganhando visão a nível internacional, até ao ponto de se convocar uma consulta popular ao povo sobre o que queria para o seu futuro, uma autonomia especial ou a independência.
Mesmo assim esse referendo foi um presente envenenado, pois a repressão, os homicidios, as torturas continuaram durante o recenseamento e a campanha para o referendo. Mesmo com a ameaça sobre as suas vidas, esse povo saiu do seu esconderijo e foi votar, e votou pela independência. Esse povo é o povo de Timor-Leste. É o povo corajoso e com capacidade de sofrimento, é o povo que decidiu por si próprio, é o povo que mostrou ao Mundo o poder da escolha e o poder do voto. É o povo que se sacrificou, para poder escolher o seu destino. E pelo povo de Timor-Leste, em cada acto de colocar a cruz, dobrar o boletim em quatro e deposita-lo na urna, eu faço uma sentida homenagem, pois esse povo mostrou-me o valor do voto e o valor da participação nos destinos colectivos.
E a todos faço um apelo, votem, independentemente do sentido de voto, mas votem, de certeza que não arriscam a vossa vida ao ir votar. O povo de Timor arriscou a sua vida, mas mesmo assim foi em massa votar.
Por si e por todos, decida e não deixe que os outros decidam por si.



publicado por pena-fiel às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

O voto
Venho escrever sobre o voto, um pouco também devido ao referendo que aí se aproxima. No entanto não vou falar sobre as razões de eu votar Sim, mas sim nas razões de eu simplesmente ir votar sempre que necessário.
Durante uma série de anos, existiu um povo que foi subjugado a um domínio estrangeiro, e durante esse espaço de tempo o invasor massacrou e oprimiu fortemente esse povo. Durante longos anos esse povo sofreu em silêncio, pois a sua localização era remota, e a sua independência não era uma prioridade para a comunidade internacional. Durante anos esse povo lutou com o pouco que tinha, mas lutou sempre afincadamente pela sua auto-determinação. Aos poucos a sua causa foi ganhando visão a nível internacional, até ao ponto de se convocar uma consulta popular ao povo sobre o que queria para o seu futuro, uma autonomia especial ou a independência.
Mesmo assim esse referendo foi um presente envenenado, pois a repressão, os homicidios, as torturas continuaram durante o recenseamento e a campanha para o referendo. Mesmo com a ameaça sobre as suas vidas, esse povo saiu do seu esconderijo e foi votar, e votou pela independência. Esse povo é o povo de Timor-Leste. É o povo corajoso e com capacidade de sofrimento, é o povo que decidiu por si próprio, é o povo que mostrou ao Mundo o poder da escolha e o poder do voto. É o povo que se sacrificou, para poder escolher o seu destino. E pelo povo de Timor-Leste, em cada acto de colocar a cruz, dobrar o boletim em quatro e deposita-lo na urna, eu faço uma sentida homenagem, pois esse povo mostrou-me o valor do voto e o valor da participação nos destinos colectivos.
E a todos faço um apelo, votem, independentemente do sentido de voto, mas votem, de certeza que não arriscam a vossa vida ao ir votar. O povo de Timor arriscou a sua vida, mas mesmo assim foi em massa votar.
Por si e por todos, decida e não deixe que os outros decidam por si.



publicado por pena-fiel às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

O voto
Venho escrever sobre o voto, um pouco também devido ao referendo que aí se aproxima. No entanto não vou falar sobre as razões de eu votar Sim, mas sim nas razões de eu simplesmente ir votar sempre que necessário.
Durante uma série de anos, existiu um povo que foi subjugado a um domínio estrangeiro, e durante esse espaço de tempo o invasor massacrou e oprimiu fortemente esse povo. Durante longos anos esse povo sofreu em silêncio, pois a sua localização era remota, e a sua independência não era uma prioridade para a comunidade internacional. Durante anos esse povo lutou com o pouco que tinha, mas lutou sempre afincadamente pela sua auto-determinação. Aos poucos a sua causa foi ganhando visão a nível internacional, até ao ponto de se convocar uma consulta popular ao povo sobre o que queria para o seu futuro, uma autonomia especial ou a independência.
Mesmo assim esse referendo foi um presente envenenado, pois a repressão, os homicidios, as torturas continuaram durante o recenseamento e a campanha para o referendo. Mesmo com a ameaça sobre as suas vidas, esse povo saiu do seu esconderijo e foi votar, e votou pela independência. Esse povo é o povo de Timor-Leste. É o povo corajoso e com capacidade de sofrimento, é o povo que decidiu por si próprio, é o povo que mostrou ao Mundo o poder da escolha e o poder do voto. É o povo que se sacrificou, para poder escolher o seu destino. E pelo povo de Timor-Leste, em cada acto de colocar a cruz, dobrar o boletim em quatro e deposita-lo na urna, eu faço uma sentida homenagem, pois esse povo mostrou-me o valor do voto e o valor da participação nos destinos colectivos.
E a todos faço um apelo, votem, independentemente do sentido de voto, mas votem, de certeza que não arriscam a vossa vida ao ir votar. O povo de Timor arriscou a sua vida, mas mesmo assim foi em massa votar.
Por si e por todos, decida e não deixe que os outros decidam por si.



publicado por pena-fiel às 19:38
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 28 de Janeiro de 2007
Os queixinhas...
"ser arguido é hoje uma vulgaridade numa sociedade em que todos apresentam queixas contra todos"
in http://filipemenezes.blogspot.com

Para os Menezistas de PENAFIEL reflectirem, ou não os haverá em Penafiel?!

Será que no PSD, não há X e Y? Pensarão todos da mesma maneira?
Às vezes, e tantas foram as vezes que o PSD procurou glosar em torno das diferenças no PS/Penafiel, dá a impressão que não!
Quando se é poder, a atracção pelo pensamento único, é forte...
Será ela irresistível em Penafiel?


publicado por pena-fiel às 20:57
link do post | comentar | favorito
|

Os queixinhas...
"ser arguido é hoje uma vulgaridade numa sociedade em que todos apresentam queixas contra todos"
in http://filipemenezes.blogspot.com

Para os Menezistas de PENAFIEL reflectirem, ou não os haverá em Penafiel?!

Será que no PSD, não há X e Y? Pensarão todos da mesma maneira?
Às vezes, e tantas foram as vezes que o PSD procurou glosar em torno das diferenças no PS/Penafiel, dá a impressão que não!
Quando se é poder, a atracção pelo pensamento único, é forte...
Será ela irresistível em Penafiel?


publicado por pena-fiel às 20:57
link do post | comentar | favorito
|

Os queixinhas...
"ser arguido é hoje uma vulgaridade numa sociedade em que todos apresentam queixas contra todos"
in http://filipemenezes.blogspot.com

Para os Menezistas de PENAFIEL reflectirem, ou não os haverá em Penafiel?!

Será que no PSD, não há X e Y? Pensarão todos da mesma maneira?
Às vezes, e tantas foram as vezes que o PSD procurou glosar em torno das diferenças no PS/Penafiel, dá a impressão que não!
Quando se é poder, a atracção pelo pensamento único, é forte...
Será ela irresistível em Penafiel?


publicado por pena-fiel às 20:57
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
28
29

30


posts recentes

Estados de espírito

PIDDAC

Autárquicas 2009

OPÇÕES

"MUDAR DE DISCURSO"

Ventos que sopram do Avan...

Afinal a senhora fala!

EXIGIR COMPROMISSOS

Muda-se de líder, mantém-...

Fuga para a frente

arquivos

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

tags

todas as tags

links
participar

participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds