Blog da responsabilidade de Nelson Correia, Advogado, Vereador na Câmara Municipal de Penafiel, deputado na IX Legislatura e militante do Partido Socialista
Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006
Travessia do rio só a nado!




Neste local, com a barca que se vê ao fundo, ou com o velho barco a remos, as populações das duas margens do Douro sempre tiveram assegurada a travessia do rio.
Foi assim que as populações do lado de Penafiel viram garantido o sustento procurado nas minas do Pejão.

Com o encerramento das Minas, o Estado entendeu que o lado do rio de Castelo de Paiva devia ficar ligado à industria. Foi nesse pressuposto que foi criada a zona industrial das Lavagueiras, na Póvoa, freguesia de Pedorido. Do lado de cá, entendeu-se, então, que o futuro estaria no Turismo.

Entretanto, as populações aspiravam pela construção de uma ponte que ligasse as duas margens. Até que a tragédia bateu em Entre-os-Rios.

No ano de 2001 a velha ponte Hintze Ribeiro sucumbiu as intempéries e arrastou consigo a vida de 59 pessoas que, há anos, ansiavam pela prometida construção da nova ponte.

Morreram vítimas da incúria do Estado, incapaz de presevar o que tem, e da falta de organização e planeamento que permitisse, em tempo útil, a construção da nova ponte.

Com a tragédia surgiu não uma ponte,mas duas!

Uma a estorvar à outra! Com o cómico de, para justificar as duas, os nossos engenheiros terem inventado um troço de estrada que obriga a entrar na ponte velha, ou melhor, na ponte nova que substituiu a velha, ir dar uma volta ao outro lado e entrar na nova ponte, voltando ao lado de cá, para retomar a viagem!

Entretanto, as populações da zona sul dos concelhos de Castelo de Paiva e Penafiel para atravessarem o rio têm que saber nadar. È que a barca que assegurava a passagem entre as duas margens deixou de operar.

As Câmaras Municipais, a de Penafiel e a de Castelo de Paiva, não querem pagar os custos da travessia.

Acham que o dinheiro lhes faz falta, por exemplo, para a publicação das respectivas revistas municipais, onde a fotografia dos Presidentes aparece mais vezes que a palavra bué em boca de adolescente de telenovela.

Se estiver a pensar, um dia destes, vir a Rio Mau e daqui até Pedorido, já sabe, traga uns calções. È que vai ter que se lançar ao rio e nadar... nadar até atingir a outra margem.

Se não sabe nadar, esqueça!

O melhor é ir mesmo até Entre-os-Rios. E se vem dos lados de Penafiel, esqueça a nova variante, a tal que prova que duas pontes, às vezes só estorvam.
Venha mesmo, pelo sítio de sempre. Apanhe a ponte que roubou o lugar da velha e depois, é só seguir em frente.
30 km mais à frente e está em Pedorido!

È esta a sina dos que vivendo do lado de Penafiel, precisam de trabalhar no lado de Castelo de Paiva e dos do lado de Castelo de Paiva que aí vivendo, precisam de vir ao lado de cá, quando não for mais, para apanhar a camioneta que os levará até ao Porto, onde ganham a vida.

Os que dos dois lados do rio ocupam a cadeira do poder municipal, com isto não se preocupam, ocupados que estão em escolher as fotografias da próxima revista municipal.


publicado por pena-fiel às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

Travessia do rio só a nado!




Neste local, com a barca que se vê ao fundo, ou com o velho barco a remos, as populações das duas margens do Douro sempre tiveram assegurada a travessia do rio.
Foi assim que as populações do lado de Penafiel viram garantido o sustento procurado nas minas do Pejão.

Com o encerramento das Minas, o Estado entendeu que o lado do rio de Castelo de Paiva devia ficar ligado à industria. Foi nesse pressuposto que foi criada a zona industrial das Lavagueiras, na Póvoa, freguesia de Pedorido. Do lado de cá, entendeu-se, então, que o futuro estaria no Turismo.

Entretanto, as populações aspiravam pela construção de uma ponte que ligasse as duas margens. Até que a tragédia bateu em Entre-os-Rios.

No ano de 2001 a velha ponte Hintze Ribeiro sucumbiu as intempéries e arrastou consigo a vida de 59 pessoas que, há anos, ansiavam pela prometida construção da nova ponte.

Morreram vítimas da incúria do Estado, incapaz de presevar o que tem, e da falta de organização e planeamento que permitisse, em tempo útil, a construção da nova ponte.

Com a tragédia surgiu não uma ponte,mas duas!

Uma a estorvar à outra! Com o cómico de, para justificar as duas, os nossos engenheiros terem inventado um troço de estrada que obriga a entrar na ponte velha, ou melhor, na ponte nova que substituiu a velha, ir dar uma volta ao outro lado e entrar na nova ponte, voltando ao lado de cá, para retomar a viagem!

Entretanto, as populações da zona sul dos concelhos de Castelo de Paiva e Penafiel para atravessarem o rio têm que saber nadar. È que a barca que assegurava a passagem entre as duas margens deixou de operar.

As Câmaras Municipais, a de Penafiel e a de Castelo de Paiva, não querem pagar os custos da travessia.

Acham que o dinheiro lhes faz falta, por exemplo, para a publicação das respectivas revistas municipais, onde a fotografia dos Presidentes aparece mais vezes que a palavra bué em boca de adolescente de telenovela.

Se estiver a pensar, um dia destes, vir a Rio Mau e daqui até Pedorido, já sabe, traga uns calções. È que vai ter que se lançar ao rio e nadar... nadar até atingir a outra margem.

Se não sabe nadar, esqueça!

O melhor é ir mesmo até Entre-os-Rios. E se vem dos lados de Penafiel, esqueça a nova variante, a tal que prova que duas pontes, às vezes só estorvam.
Venha mesmo, pelo sítio de sempre. Apanhe a ponte que roubou o lugar da velha e depois, é só seguir em frente.
30 km mais à frente e está em Pedorido!

È esta a sina dos que vivendo do lado de Penafiel, precisam de trabalhar no lado de Castelo de Paiva e dos do lado de Castelo de Paiva que aí vivendo, precisam de vir ao lado de cá, quando não for mais, para apanhar a camioneta que os levará até ao Porto, onde ganham a vida.

Os que dos dois lados do rio ocupam a cadeira do poder municipal, com isto não se preocupam, ocupados que estão em escolher as fotografias da próxima revista municipal.


publicado por pena-fiel às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

Travessia do rio só a nado!




Neste local, com a barca que se vê ao fundo, ou com o velho barco a remos, as populações das duas margens do Douro sempre tiveram assegurada a travessia do rio.
Foi assim que as populações do lado de Penafiel viram garantido o sustento procurado nas minas do Pejão.

Com o encerramento das Minas, o Estado entendeu que o lado do rio de Castelo de Paiva devia ficar ligado à industria. Foi nesse pressuposto que foi criada a zona industrial das Lavagueiras, na Póvoa, freguesia de Pedorido. Do lado de cá, entendeu-se, então, que o futuro estaria no Turismo.

Entretanto, as populações aspiravam pela construção de uma ponte que ligasse as duas margens. Até que a tragédia bateu em Entre-os-Rios.

No ano de 2001 a velha ponte Hintze Ribeiro sucumbiu as intempéries e arrastou consigo a vida de 59 pessoas que, há anos, ansiavam pela prometida construção da nova ponte.

Morreram vítimas da incúria do Estado, incapaz de presevar o que tem, e da falta de organização e planeamento que permitisse, em tempo útil, a construção da nova ponte.

Com a tragédia surgiu não uma ponte,mas duas!

Uma a estorvar à outra! Com o cómico de, para justificar as duas, os nossos engenheiros terem inventado um troço de estrada que obriga a entrar na ponte velha, ou melhor, na ponte nova que substituiu a velha, ir dar uma volta ao outro lado e entrar na nova ponte, voltando ao lado de cá, para retomar a viagem!

Entretanto, as populações da zona sul dos concelhos de Castelo de Paiva e Penafiel para atravessarem o rio têm que saber nadar. È que a barca que assegurava a passagem entre as duas margens deixou de operar.

As Câmaras Municipais, a de Penafiel e a de Castelo de Paiva, não querem pagar os custos da travessia.

Acham que o dinheiro lhes faz falta, por exemplo, para a publicação das respectivas revistas municipais, onde a fotografia dos Presidentes aparece mais vezes que a palavra bué em boca de adolescente de telenovela.

Se estiver a pensar, um dia destes, vir a Rio Mau e daqui até Pedorido, já sabe, traga uns calções. È que vai ter que se lançar ao rio e nadar... nadar até atingir a outra margem.

Se não sabe nadar, esqueça!

O melhor é ir mesmo até Entre-os-Rios. E se vem dos lados de Penafiel, esqueça a nova variante, a tal que prova que duas pontes, às vezes só estorvam.
Venha mesmo, pelo sítio de sempre. Apanhe a ponte que roubou o lugar da velha e depois, é só seguir em frente.
30 km mais à frente e está em Pedorido!

È esta a sina dos que vivendo do lado de Penafiel, precisam de trabalhar no lado de Castelo de Paiva e dos do lado de Castelo de Paiva que aí vivendo, precisam de vir ao lado de cá, quando não for mais, para apanhar a camioneta que os levará até ao Porto, onde ganham a vida.

Os que dos dois lados do rio ocupam a cadeira do poder municipal, com isto não se preocupam, ocupados que estão em escolher as fotografias da próxima revista municipal.


publicado por pena-fiel às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

Travessia do rio só a nado!




Neste local, com a barca que se vê ao fundo, ou com o velho barco a remos, as populações das duas margens do Douro sempre tiveram assegurada a travessia do rio.
Foi assim que as populações do lado de Penafiel viram garantido o sustento procurado nas minas do Pejão.

Com o encerramento das Minas, o Estado entendeu que o lado do rio de Castelo de Paiva devia ficar ligado à industria. Foi nesse pressuposto que foi criada a zona industrial das Lavagueiras, na Póvoa, freguesia de Pedorido. Do lado de cá, entendeu-se, então, que o futuro estaria no Turismo.

Entretanto, as populações aspiravam pela construção de uma ponte que ligasse as duas margens. Até que a tragédia bateu em Entre-os-Rios.

No ano de 2001 a velha ponte Hintze Ribeiro sucumbiu as intempéries e arrastou consigo a vida de 59 pessoas que, há anos, ansiavam pela prometida construção da nova ponte.

Morreram vítimas da incúria do Estado, incapaz de presevar o que tem, e da falta de organização e planeamento que permitisse, em tempo útil, a construção da nova ponte.

Com a tragédia surgiu não uma ponte,mas duas!

Uma a estorvar à outra! Com o cómico de, para justificar as duas, os nossos engenheiros terem inventado um troço de estrada que obriga a entrar na ponte velha, ou melhor, na ponte nova que substituiu a velha, ir dar uma volta ao outro lado e entrar na nova ponte, voltando ao lado de cá, para retomar a viagem!

Entretanto, as populações da zona sul dos concelhos de Castelo de Paiva e Penafiel para atravessarem o rio têm que saber nadar. È que a barca que assegurava a passagem entre as duas margens deixou de operar.

As Câmaras Municipais, a de Penafiel e a de Castelo de Paiva, não querem pagar os custos da travessia.

Acham que o dinheiro lhes faz falta, por exemplo, para a publicação das respectivas revistas municipais, onde a fotografia dos Presidentes aparece mais vezes que a palavra bué em boca de adolescente de telenovela.

Se estiver a pensar, um dia destes, vir a Rio Mau e daqui até Pedorido, já sabe, traga uns calções. È que vai ter que se lançar ao rio e nadar... nadar até atingir a outra margem.

Se não sabe nadar, esqueça!

O melhor é ir mesmo até Entre-os-Rios. E se vem dos lados de Penafiel, esqueça a nova variante, a tal que prova que duas pontes, às vezes só estorvam.
Venha mesmo, pelo sítio de sempre. Apanhe a ponte que roubou o lugar da velha e depois, é só seguir em frente.
30 km mais à frente e está em Pedorido!

È esta a sina dos que vivendo do lado de Penafiel, precisam de trabalhar no lado de Castelo de Paiva e dos do lado de Castelo de Paiva que aí vivendo, precisam de vir ao lado de cá, quando não for mais, para apanhar a camioneta que os levará até ao Porto, onde ganham a vida.

Os que dos dois lados do rio ocupam a cadeira do poder municipal, com isto não se preocupam, ocupados que estão em escolher as fotografias da próxima revista municipal.


publicado por pena-fiel às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

Travessia do rio só a nado!




Neste local, com a barca que se vê ao fundo, ou com o velho barco a remos, as populações das duas margens do Douro sempre tiveram assegurada a travessia do rio.
Foi assim que as populações do lado de Penafiel viram garantido o sustento procurado nas minas do Pejão.

Com o encerramento das Minas, o Estado entendeu que o lado do rio de Castelo de Paiva devia ficar ligado à industria. Foi nesse pressuposto que foi criada a zona industrial das Lavagueiras, na Póvoa, freguesia de Pedorido. Do lado de cá, entendeu-se, então, que o futuro estaria no Turismo.

Entretanto, as populações aspiravam pela construção de uma ponte que ligasse as duas margens. Até que a tragédia bateu em Entre-os-Rios.

No ano de 2001 a velha ponte Hintze Ribeiro sucumbiu as intempéries e arrastou consigo a vida de 59 pessoas que, há anos, ansiavam pela prometida construção da nova ponte.

Morreram vítimas da incúria do Estado, incapaz de presevar o que tem, e da falta de organização e planeamento que permitisse, em tempo útil, a construção da nova ponte.

Com a tragédia surgiu não uma ponte,mas duas!

Uma a estorvar à outra! Com o cómico de, para justificar as duas, os nossos engenheiros terem inventado um troço de estrada que obriga a entrar na ponte velha, ou melhor, na ponte nova que substituiu a velha, ir dar uma volta ao outro lado e entrar na nova ponte, voltando ao lado de cá, para retomar a viagem!

Entretanto, as populações da zona sul dos concelhos de Castelo de Paiva e Penafiel para atravessarem o rio têm que saber nadar. È que a barca que assegurava a passagem entre as duas margens deixou de operar.

As Câmaras Municipais, a de Penafiel e a de Castelo de Paiva, não querem pagar os custos da travessia.

Acham que o dinheiro lhes faz falta, por exemplo, para a publicação das respectivas revistas municipais, onde a fotografia dos Presidentes aparece mais vezes que a palavra bué em boca de adolescente de telenovela.

Se estiver a pensar, um dia destes, vir a Rio Mau e daqui até Pedorido, já sabe, traga uns calções. È que vai ter que se lançar ao rio e nadar... nadar até atingir a outra margem.

Se não sabe nadar, esqueça!

O melhor é ir mesmo até Entre-os-Rios. E se vem dos lados de Penafiel, esqueça a nova variante, a tal que prova que duas pontes, às vezes só estorvam.
Venha mesmo, pelo sítio de sempre. Apanhe a ponte que roubou o lugar da velha e depois, é só seguir em frente.
30 km mais à frente e está em Pedorido!

È esta a sina dos que vivendo do lado de Penafiel, precisam de trabalhar no lado de Castelo de Paiva e dos do lado de Castelo de Paiva que aí vivendo, precisam de vir ao lado de cá, quando não for mais, para apanhar a camioneta que os levará até ao Porto, onde ganham a vida.

Os que dos dois lados do rio ocupam a cadeira do poder municipal, com isto não se preocupam, ocupados que estão em escolher as fotografias da próxima revista municipal.


publicado por pena-fiel às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

Travessia do rio só a nado!




Neste local, com a barca que se vê ao fundo, ou com o velho barco a remos, as populações das duas margens do Douro sempre tiveram assegurada a travessia do rio.
Foi assim que as populações do lado de Penafiel viram garantido o sustento procurado nas minas do Pejão.

Com o encerramento das Minas, o Estado entendeu que o lado do rio de Castelo de Paiva devia ficar ligado à industria. Foi nesse pressuposto que foi criada a zona industrial das Lavagueiras, na Póvoa, freguesia de Pedorido. Do lado de cá, entendeu-se, então, que o futuro estaria no Turismo.

Entretanto, as populações aspiravam pela construção de uma ponte que ligasse as duas margens. Até que a tragédia bateu em Entre-os-Rios.

No ano de 2001 a velha ponte Hintze Ribeiro sucumbiu as intempéries e arrastou consigo a vida de 59 pessoas que, há anos, ansiavam pela prometida construção da nova ponte.

Morreram vítimas da incúria do Estado, incapaz de presevar o que tem, e da falta de organização e planeamento que permitisse, em tempo útil, a construção da nova ponte.

Com a tragédia surgiu não uma ponte,mas duas!

Uma a estorvar à outra! Com o cómico de, para justificar as duas, os nossos engenheiros terem inventado um troço de estrada que obriga a entrar na ponte velha, ou melhor, na ponte nova que substituiu a velha, ir dar uma volta ao outro lado e entrar na nova ponte, voltando ao lado de cá, para retomar a viagem!

Entretanto, as populações da zona sul dos concelhos de Castelo de Paiva e Penafiel para atravessarem o rio têm que saber nadar. È que a barca que assegurava a passagem entre as duas margens deixou de operar.

As Câmaras Municipais, a de Penafiel e a de Castelo de Paiva, não querem pagar os custos da travessia.

Acham que o dinheiro lhes faz falta, por exemplo, para a publicação das respectivas revistas municipais, onde a fotografia dos Presidentes aparece mais vezes que a palavra bué em boca de adolescente de telenovela.

Se estiver a pensar, um dia destes, vir a Rio Mau e daqui até Pedorido, já sabe, traga uns calções. È que vai ter que se lançar ao rio e nadar... nadar até atingir a outra margem.

Se não sabe nadar, esqueça!

O melhor é ir mesmo até Entre-os-Rios. E se vem dos lados de Penafiel, esqueça a nova variante, a tal que prova que duas pontes, às vezes só estorvam.
Venha mesmo, pelo sítio de sempre. Apanhe a ponte que roubou o lugar da velha e depois, é só seguir em frente.
30 km mais à frente e está em Pedorido!

È esta a sina dos que vivendo do lado de Penafiel, precisam de trabalhar no lado de Castelo de Paiva e dos do lado de Castelo de Paiva que aí vivendo, precisam de vir ao lado de cá, quando não for mais, para apanhar a camioneta que os levará até ao Porto, onde ganham a vida.

Os que dos dois lados do rio ocupam a cadeira do poder municipal, com isto não se preocupam, ocupados que estão em escolher as fotografias da próxima revista municipal.


publicado por pena-fiel às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

Travessia do rio só a nado!




Neste local, com a barca que se vê ao fundo, ou com o velho barco a remos, as populações das duas margens do Douro sempre tiveram assegurada a travessia do rio.
Foi assim que as populações do lado de Penafiel viram garantido o sustento procurado nas minas do Pejão.

Com o encerramento das Minas, o Estado entendeu que o lado do rio de Castelo de Paiva devia ficar ligado à industria. Foi nesse pressuposto que foi criada a zona industrial das Lavagueiras, na Póvoa, freguesia de Pedorido. Do lado de cá, entendeu-se, então, que o futuro estaria no Turismo.

Entretanto, as populações aspiravam pela construção de uma ponte que ligasse as duas margens. Até que a tragédia bateu em Entre-os-Rios.

No ano de 2001 a velha ponte Hintze Ribeiro sucumbiu as intempéries e arrastou consigo a vida de 59 pessoas que, há anos, ansiavam pela prometida construção da nova ponte.

Morreram vítimas da incúria do Estado, incapaz de presevar o que tem, e da falta de organização e planeamento que permitisse, em tempo útil, a construção da nova ponte.

Com a tragédia surgiu não uma ponte,mas duas!

Uma a estorvar à outra! Com o cómico de, para justificar as duas, os nossos engenheiros terem inventado um troço de estrada que obriga a entrar na ponte velha, ou melhor, na ponte nova que substituiu a velha, ir dar uma volta ao outro lado e entrar na nova ponte, voltando ao lado de cá, para retomar a viagem!

Entretanto, as populações da zona sul dos concelhos de Castelo de Paiva e Penafiel para atravessarem o rio têm que saber nadar. È que a barca que assegurava a passagem entre as duas margens deixou de operar.

As Câmaras Municipais, a de Penafiel e a de Castelo de Paiva, não querem pagar os custos da travessia.

Acham que o dinheiro lhes faz falta, por exemplo, para a publicação das respectivas revistas municipais, onde a fotografia dos Presidentes aparece mais vezes que a palavra bué em boca de adolescente de telenovela.

Se estiver a pensar, um dia destes, vir a Rio Mau e daqui até Pedorido, já sabe, traga uns calções. È que vai ter que se lançar ao rio e nadar... nadar até atingir a outra margem.

Se não sabe nadar, esqueça!

O melhor é ir mesmo até Entre-os-Rios. E se vem dos lados de Penafiel, esqueça a nova variante, a tal que prova que duas pontes, às vezes só estorvam.
Venha mesmo, pelo sítio de sempre. Apanhe a ponte que roubou o lugar da velha e depois, é só seguir em frente.
30 km mais à frente e está em Pedorido!

È esta a sina dos que vivendo do lado de Penafiel, precisam de trabalhar no lado de Castelo de Paiva e dos do lado de Castelo de Paiva que aí vivendo, precisam de vir ao lado de cá, quando não for mais, para apanhar a camioneta que os levará até ao Porto, onde ganham a vida.

Os que dos dois lados do rio ocupam a cadeira do poder municipal, com isto não se preocupam, ocupados que estão em escolher as fotografias da próxima revista municipal.


publicado por pena-fiel às 21:11
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 17 de Outubro de 2006
ECOS DA VISITA DOS DEPUTADOS AO HOSPITAL
Da visita dos senhores deputados do PS ao Hospital Padre Américo, via imprensa, chegaram-nos estes ecos:


JORNAL DE NOTÍCIAS DE 17.10.06

LOCAL – VALE DO SOUSA

Hospital com capacidade para mais partos


O fecho da maternidade no hospital de Amarante fez aumentar o número de partos no Hospital Padre Américo do Vale do Sousa. Porém, a unidade de saúde tem capacidade instalada para admitir parturientes de outros hospitais. A garantia foi dada, ontem, pelos deputados socialistas, eleitos pelo distrito do Porto, durante uma visita ao hospital.

Esta unidade de saúde tem 390 camas de internamento e diversas valências médicas e cirúrgicas. Os deputados do PS fizeram uma visita guiada ao interior do hospital, conduzida pelo ex-deputado socialista, Alberto Marques, actual presidente do Conselho de Administração.

Fernando Jesus, coordenador da equipa, mostrou-se "bastante satisfeito com a ideia de que o hospital está no bom caminho", enquanto o deputado Manuel Pizarro elogiou a gestão de Alberto Marques ao cumprir "um objectivo das políticas de Saúde do Governo". O bloco operatório efectuou mais quatro mil intervenções cirúrgicas que o ano passado, "um aumento de produção absolutamente espantoso" para os deputados socialistas.

Sobre o aspecto financeiro, os deputados saíram "tranquilos e impressionados". "Este hospital apresenta um défice operacional perfeitamente sustentável", frisou Manuel Pizarro. Por isso, este deputado considera "absolutamente falsas" as notícias sobre a possibilidade de o hospital perder a categoria de Empresa Pública.

A unidade aumentou o número de partos ao receber grávidas de outros concelhos, nomeadamente, do Hospital de Amarante cuja maternidade será encerrada. Para Manuel Pizarro, o "Padre Américo" tem capacidade instalada para corresponder à falha de Amarante e "até de outros". Alberto Marques agradeceu a visita e lembrou que o próximo ano será "a consolidação da modernização, com mais segurança e eficácia". O hospital recebe, anualmente, cerca de 150 mil pessoas na Consulta Externa e 164 mil na Urgência. JV


PÚBLICO 2006.10.17

REGIÃO


Hospital Padre Américo com aumento da produtividade

A gestão do Hospital Padre Américo foi amplamente elogiada pelos deputados, considerando que é um exemplo de como "deve ser a gestão do serviço nacional de saúde pública dos hospitais", centrando-se na resolução dos problemas de saúde do doente. Manuel Pizarro destacou a grande motivação dos profissionais que ali trabalham, porque "sem um grande envolvimento" não seria possível obter "estes belíssimos resultados de produção".
No primeiro semestre de 2006, o Padre Américo aumentou a produção cirúrgica de forma "absolutamente impressionante", de um pouco menos de 10 mil cirurgias para mais de 14 mil, correspondendo a um aumento superior a 40 por cento assente no "serviço regular do hospital", afirmou. No Serviço de Oftalmologia, o aumento foi superior a 500 por cento, acrescentou o deputado.
Os resultados globais apontam para um crescimento total da produção "na ordem dos 14 por cento e um aumento dos custos na ordem dos 6 por cento", concluindo os socialistas: "Apesar do momento de contenção orçamental, a relação entre o aumento dos proveitos e dos custos é de tal modo favorável que o défice operacional do hospital é absolutamente suportável e pouco significativo". Os socialistas afirmaram sair do hospital "animados com o que se está a passar" naquela unidade de saúde, cuja gestão "confirma que existem condições para manter e reforçar o Serviço Nacional de Saúde público do ponto de vista de acessibilidade e sustentabilidade financeira".


E mais não sabemos, porque nada nos foi dito...


publicado por pena-fiel às 14:52
link do post | comentar | favorito
|

ECOS DA VISITA DOS DEPUTADOS AO HOSPITAL
Da visita dos senhores deputados do PS ao Hospital Padre Américo, via imprensa, chegaram-nos estes ecos:


JORNAL DE NOTÍCIAS DE 17.10.06

LOCAL – VALE DO SOUSA

Hospital com capacidade para mais partos


O fecho da maternidade no hospital de Amarante fez aumentar o número de partos no Hospital Padre Américo do Vale do Sousa. Porém, a unidade de saúde tem capacidade instalada para admitir parturientes de outros hospitais. A garantia foi dada, ontem, pelos deputados socialistas, eleitos pelo distrito do Porto, durante uma visita ao hospital.

Esta unidade de saúde tem 390 camas de internamento e diversas valências médicas e cirúrgicas. Os deputados do PS fizeram uma visita guiada ao interior do hospital, conduzida pelo ex-deputado socialista, Alberto Marques, actual presidente do Conselho de Administração.

Fernando Jesus, coordenador da equipa, mostrou-se "bastante satisfeito com a ideia de que o hospital está no bom caminho", enquanto o deputado Manuel Pizarro elogiou a gestão de Alberto Marques ao cumprir "um objectivo das políticas de Saúde do Governo". O bloco operatório efectuou mais quatro mil intervenções cirúrgicas que o ano passado, "um aumento de produção absolutamente espantoso" para os deputados socialistas.

Sobre o aspecto financeiro, os deputados saíram "tranquilos e impressionados". "Este hospital apresenta um défice operacional perfeitamente sustentável", frisou Manuel Pizarro. Por isso, este deputado considera "absolutamente falsas" as notícias sobre a possibilidade de o hospital perder a categoria de Empresa Pública.

A unidade aumentou o número de partos ao receber grávidas de outros concelhos, nomeadamente, do Hospital de Amarante cuja maternidade será encerrada. Para Manuel Pizarro, o "Padre Américo" tem capacidade instalada para corresponder à falha de Amarante e "até de outros". Alberto Marques agradeceu a visita e lembrou que o próximo ano será "a consolidação da modernização, com mais segurança e eficácia". O hospital recebe, anualmente, cerca de 150 mil pessoas na Consulta Externa e 164 mil na Urgência. JV


PÚBLICO 2006.10.17

REGIÃO


Hospital Padre Américo com aumento da produtividade

A gestão do Hospital Padre Américo foi amplamente elogiada pelos deputados, considerando que é um exemplo de como "deve ser a gestão do serviço nacional de saúde pública dos hospitais", centrando-se na resolução dos problemas de saúde do doente. Manuel Pizarro destacou a grande motivação dos profissionais que ali trabalham, porque "sem um grande envolvimento" não seria possível obter "estes belíssimos resultados de produção".
No primeiro semestre de 2006, o Padre Américo aumentou a produção cirúrgica de forma "absolutamente impressionante", de um pouco menos de 10 mil cirurgias para mais de 14 mil, correspondendo a um aumento superior a 40 por cento assente no "serviço regular do hospital", afirmou. No Serviço de Oftalmologia, o aumento foi superior a 500 por cento, acrescentou o deputado.
Os resultados globais apontam para um crescimento total da produção "na ordem dos 14 por cento e um aumento dos custos na ordem dos 6 por cento", concluindo os socialistas: "Apesar do momento de contenção orçamental, a relação entre o aumento dos proveitos e dos custos é de tal modo favorável que o défice operacional do hospital é absolutamente suportável e pouco significativo". Os socialistas afirmaram sair do hospital "animados com o que se está a passar" naquela unidade de saúde, cuja gestão "confirma que existem condições para manter e reforçar o Serviço Nacional de Saúde público do ponto de vista de acessibilidade e sustentabilidade financeira".


E mais não sabemos, porque nada nos foi dito...


publicado por pena-fiel às 14:52
link do post | comentar | favorito
|

ECOS DA VISITA DOS DEPUTADOS AO HOSPITAL
Da visita dos senhores deputados do PS ao Hospital Padre Américo, via imprensa, chegaram-nos estes ecos:


JORNAL DE NOTÍCIAS DE 17.10.06

LOCAL – VALE DO SOUSA

Hospital com capacidade para mais partos


O fecho da maternidade no hospital de Amarante fez aumentar o número de partos no Hospital Padre Américo do Vale do Sousa. Porém, a unidade de saúde tem capacidade instalada para admitir parturientes de outros hospitais. A garantia foi dada, ontem, pelos deputados socialistas, eleitos pelo distrito do Porto, durante uma visita ao hospital.

Esta unidade de saúde tem 390 camas de internamento e diversas valências médicas e cirúrgicas. Os deputados do PS fizeram uma visita guiada ao interior do hospital, conduzida pelo ex-deputado socialista, Alberto Marques, actual presidente do Conselho de Administração.

Fernando Jesus, coordenador da equipa, mostrou-se "bastante satisfeito com a ideia de que o hospital está no bom caminho", enquanto o deputado Manuel Pizarro elogiou a gestão de Alberto Marques ao cumprir "um objectivo das políticas de Saúde do Governo". O bloco operatório efectuou mais quatro mil intervenções cirúrgicas que o ano passado, "um aumento de produção absolutamente espantoso" para os deputados socialistas.

Sobre o aspecto financeiro, os deputados saíram "tranquilos e impressionados". "Este hospital apresenta um défice operacional perfeitamente sustentável", frisou Manuel Pizarro. Por isso, este deputado considera "absolutamente falsas" as notícias sobre a possibilidade de o hospital perder a categoria de Empresa Pública.

A unidade aumentou o número de partos ao receber grávidas de outros concelhos, nomeadamente, do Hospital de Amarante cuja maternidade será encerrada. Para Manuel Pizarro, o "Padre Américo" tem capacidade instalada para corresponder à falha de Amarante e "até de outros". Alberto Marques agradeceu a visita e lembrou que o próximo ano será "a consolidação da modernização, com mais segurança e eficácia". O hospital recebe, anualmente, cerca de 150 mil pessoas na Consulta Externa e 164 mil na Urgência. JV


PÚBLICO 2006.10.17

REGIÃO


Hospital Padre Américo com aumento da produtividade

A gestão do Hospital Padre Américo foi amplamente elogiada pelos deputados, considerando que é um exemplo de como "deve ser a gestão do serviço nacional de saúde pública dos hospitais", centrando-se na resolução dos problemas de saúde do doente. Manuel Pizarro destacou a grande motivação dos profissionais que ali trabalham, porque "sem um grande envolvimento" não seria possível obter "estes belíssimos resultados de produção".
No primeiro semestre de 2006, o Padre Américo aumentou a produção cirúrgica de forma "absolutamente impressionante", de um pouco menos de 10 mil cirurgias para mais de 14 mil, correspondendo a um aumento superior a 40 por cento assente no "serviço regular do hospital", afirmou. No Serviço de Oftalmologia, o aumento foi superior a 500 por cento, acrescentou o deputado.
Os resultados globais apontam para um crescimento total da produção "na ordem dos 14 por cento e um aumento dos custos na ordem dos 6 por cento", concluindo os socialistas: "Apesar do momento de contenção orçamental, a relação entre o aumento dos proveitos e dos custos é de tal modo favorável que o défice operacional do hospital é absolutamente suportável e pouco significativo". Os socialistas afirmaram sair do hospital "animados com o que se está a passar" naquela unidade de saúde, cuja gestão "confirma que existem condições para manter e reforçar o Serviço Nacional de Saúde público do ponto de vista de acessibilidade e sustentabilidade financeira".


E mais não sabemos, porque nada nos foi dito...


publicado por pena-fiel às 14:52
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
28
29

30


posts recentes

Estados de espírito

PIDDAC

Autárquicas 2009

OPÇÕES

"MUDAR DE DISCURSO"

Ventos que sopram do Avan...

Afinal a senhora fala!

EXIGIR COMPROMISSOS

Muda-se de líder, mantém-...

Fuga para a frente

arquivos

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

tags

todas as tags

links
participar

participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds